quarta-feira, maio 17, 2006

Restaurante "DeBouro"


Seguindo o som dos sinos ancestrais da Sé de Braga, local histórico e unicamente bem conservado na cidade de Braga, sentimos brotar os sabores de um recanto dos deuses, onde estes se misturam sem pudor em pratos bem conseguidos com paladares explícitos, de uma qualidade exuberante.

Poderá encontrar aqui o restaurante De Bouro, um local que satisfaz os mais exigentes em termos de uma suave nouvelle cousine. Com um toque tradicional, pode-se até arriscar declarar uma fusão entre a tradição portuguesa com a gastronomia francesa.

Situado num local, onde o antigo se envolve com o contemporâneo numa reforma perfeccionista e bem conseguida, tal como os pratos que oferece, o restaurante "De Bouro" apresenta uma aura de qualidade misturada com um profissionalismo espantoso. Olhando ninguém diria, teria de ser conquistador, e até um pouco extrovertido, para encontrar este sítio tão especial em Braga. Só uma severidade visual consegue descobrir tal local, traçando o embaraço de uma história tumular romana enterrada no solo onde se assenta.

Tendo como anfitrião César Augusto, baptista de Bracara Augusta, poderíamos até conceber um festim romano actual, de novos sabores, onde poderiam participar figuras antigas, como Teresa de Leão, os pais de D. Afonso Henriques, Henrique de Borgonha e sua mulher, entre outros. Acredito seriamente que todos estes convivas sairiam encantados com o maravilhoso festim de sabores que esta paragem oferece.

Após termos como referencia a Sé de Braga, e depois de perguntar a um e a outro transeunte pelo restaurante, lá encontramos um amável senhor que entusiasticamente nos escoltou ao local. O restaurante "DeBouro" encontra-se localizado numa antiga e estreita rua no centro histórico de Braga. Logo notamos que já tínhamos passado perto do restaurante várias vezes, sem o conseguirmos detectar. A meio da rua, a pequena porta vidrada vermelha, logo nos revelou a simpatia do recepcionista, também chefe de mesa. De imediato fomos escoltados ao som de uma música suave, através do simpático corredor do restaurante, até à nossa mesa. Esta encontrava-se cuidadosamente preparada, parecendo até, que nos esperava ansiosamente, prestes a agradar os nossos desejos. Aqui sentimos o calor de um cantinho sofisticado, onde a elegante simplicidade do local, nos permitiu deixar toda a atenção aos sabores oferecidos. As referências ao passado bracarense revêem-se nas fotografias a preto e branco, colocadas meticulosamente nas paredes que nos rodeavam.

O branco dominador das paredes, das toalhas de mesa, dos guardanapos e das loiças de mesa, reflectiu as cores das entradas que nos colocaram à disposição. Um colorido de entradas foi-nos oferecido, “salpicão”, “cogumelos frescos salteados com salsa e alho”, “pimentos assados em vinagrete e azeitonas”, “pasta de bacalhau com tostas”, “paté especial de atum”, “canapés de vários queijos franceses”, “rolinhos de banana com bacon assado”, entre outros, enfim um festim de entradas saborosas e sofisticadas.

De seguida escolhemos o vinho, de uma carta bastante completa, com várias designações básicas sobre o vinho. No caso de não serem entendidos no assunto, poderão deixar a escolha ao critério do chefe de mesa, Sr. Rui, pois o seu conhecimento sobre o assunto é muito fiável.

Qual não é a nossa surpresa, quando o simpático e profissional Sr. Rui, nos interrompe a animada conversa entre um pequeno grupo de amigos, literalmente recitando os pratos disponíveis neste dia, e explicando cada um com uma convicção e peculiaridade maravilhosa. Todos achamos o momento original e até divertido, pensando ser exclusivo da nossa mesa, mas rapidamente descobrimos que todos têm direito ao mesmo tratamento distinto.
Os pratos apresentados foram, “perdiz estufada com arroz”, “arroz de pato com pinhões”, “magret de pato”, “medalhão com molho de pimenta”, “coxa de pato gratinada com puré de maçã”. Nos pratos de peixe anunciou o “arroz de tamboril”, “linguado grelhado com molho de champanhe”, “polvo grelhado” e por fim o maravilhoso “bacalhau gratinado com gambas”.
Escolhemos o bacalhau gratinado com gambas, simplesmente SUBLIME; seguiu-se o arroz de pato com pinhões, onde se deseja simplesmente poder comer sempre um bocadinho mais…

Chegando à altura das sobremesas… este momento especial que o Sr. Rui alegra ainda mais, com um carrinho recheado de várias sobremesas, onde simplesmente não resistimos a provar um pouco de cada, “tiramissú”, “pecados do convento”, “requeijão com avelã”, “bolo húngaro”, “bavaroise de ananás”, formam eleitas como algumas das melhores sobremesas por nós saboreadas.

"Quem vê Braga por um canudo", não pode deixar de apontar um olhar, e até um pouco da sua atenção a um local tão especial, localizado no centro histórico de Braga.


Contactos:
Morada: Rua St. António Travessas 30/2
4700-040 Braga
Telefone: 253261609

Métodos de Pagamento: Multibanco, Visa, American Express, Diners Club
Horário: Das 13:00 às 15:00 e Das 20:00 às 23:00
Dias de Encerramento: Domingo
Capacidade (lugares): 44

2 comentários:

Ana_Lebreiro disse...

Estou com muita curiosidade em experimentar este restaurante, mas sempre me pareceu um pouco caro será que tenho razao?
Vou fazer anos daqui a umas semanas e estou bastante indecisa quanto à escolha de um bom restaurante, no entanto não queria que fosse um "arrombo" monetário. Será o DeBouro uma boa opção?

Obrigada por um excelente blog...

Vasco disse...

Aconselho VIVAMENTE!!!

Não é nada caro... A qualidade em cada detalhe transforma-o numa pechincha na hora da dolorosa :)

Quanto a mim, o melhor restaurante de Braga.